Immobilização do cromo em matrizes de cimento após tratamento por estabilização/solidificação de resíduos químicos sólidos

Poliana Pinheiro Silva, André Luiz Fiquene de Brito, Josevânia Rodrigues Jovelino

Resumo


Os resíduos gerados nas Universidades representam 1% do total de resíduos em relação às demais fontes geradoras de resíduos sólidos, porém, apresentam dificuldade de tratamento devido à quantidade e diversidade de compostos ignific em um único resíduo. Os resíduos são classificados de acordo com as características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade (Classe I) ou biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água (classe II A ou classe II B). Quando classificados como perigosos, causam danos à saúde e ao meio ambiente. Um tratamento alternativo é a estabilização/solidificação, que promove a incorporação dos resíduos nas matrizes cimentícias. O objetivo deste trabalho é ignific a imobilização do cromo presente em resíduos sólidos de laboratórios químicos em matrizes cimentícias, visando reduzir o impacto ignifica causado pela destinação inadequada desse tipo de resíduo. Os corpos-de-prova foram confeccionados com cimento Portland pozolônico, areia fina, brita e resíduo sólido de laboratório químico. Após testes de integridade/durabilidade e imobilização de contaminantes, os melhores resultados foram encontrados para a incorporação de 5% de resíduos sólidos de laboratório. Apesar da matriz de 35% ter falhado no teste de lixiviação, todos os tratamentos apresentaram eficiência de retenção de cromo acima de 93%, indicando que houve redução ignificative na concentração do metal no resíduo após o tratamento.

Palavras-chave


Tratamento. Universidade. Resíduo Sólido. Lixiviação.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.14295/holos.v21i1.12420

Creative Commons License
HOLOS ENVIRONMENT, Rio Claro, SP, Brasil - - - eISSN (eletrônico): 1519-8634 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons

> > > > >
 




Filiado ao Portal de Periódicos CAPES



Filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos a partir de 2010

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia