Gênese e fitodiversidade no enclave pico do jabre do semiárido brasileiro

Aureliana Santos Gomes, Ailson de Lima Marques, Cauê Souto Vieira, Débora Coelho Moura, Erimágna de Morais Rodrigues, Gabryelle de Farias Sousa, Cássio Ricardo Gonçalves da Costa

Resumo


Dentre os elementos que compõem as áreas paisagísticas da Caatinga, encontram-se os chamados "brejos de altitude" ou "enclaves de floresta úmida", o que pode ter explicado sua gênese a partir da hipótese de mudanças climáticas quaternárias. Este trabalho tem como objetivo retratar a fitodiversidade e a origem do maciço residual Pico do Jabre, localizado na região Nordeste, semi-árido brasileiro. Como resultado, verificou-se que o Pico do Jabre corresponde a um maciço residual, assente na zona geotectónica de Teixeira ou Pluton Teixeira, e teve a sua origem na erosão diferencial entre as rochas xistosas do pediplano e as rochas graníticas do maciço. Sua fitodiversidade se distribui em altitudes onde o afloramento do planalto abriga espécies de cavernas, a dimensão entre 900 e 1100 metros corresponde à área de floresta semidecidual montana, e Caatinga abaixo de 900 metros.

Palavras-chave


Caatinga. Panorama. Fitodiversidade. Pântano de Altitude.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.14295/holos.v21i2.12428

Creative Commons License
HOLOS ENVIRONMENT, Rio Claro, SP, Brasil - - - eISSN (eletrônico): 1519-8634 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons

> > > > >
 




Filiado ao Portal de Periódicos CAPES



Filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos a partir de 2010

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia